Artigo Publicado: Análise de erros nas prescrições médicas em uma unidade de pronto atendimento do município de Juiz de Fora – MG

Soraia Naback Chafia Moura
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Universidade Presidente Antonio Carlos
(UNIPAC Juiz de Fora)

Lucia Maria Vaz de Melo Filha
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Universidade Presidente Antônio Carlos
(UNIPAC Juiz de Fora)

Aline Correa Ribeiro
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Universidade Presidente Antônio Carlos
(UNIPAC Juiz de Fora)

Resumo:

Objetivo: Analisar os erros nas prescrições médicas de uma Unidade de Pronto Atendimento em Juiz de Fora -MG. Método: Foram analisadas 1798 prescrições, no período de junho a agosto de 2016, e os dados foram divididos em quatro tópicos: identificação do paciente, identificação do prescritor, legibilidade das prescrições e análise das medicações. A pesquisa quantitativa enfatizou os indicadores numéricos e percentuais sobre o fato pesquisado. Resultados: Foram evidenciados: ausência ou nome incompleto do paciente (42,27%); ausência da idade (74,64%); do leito (49,72%); do setor (46,89%); da idade (74,64); do carimbo médico ou ilegível (9,57%); sem assinatura do médico (11,62); cópias ilegíveis (17,07%); má caligrafia (14,63%); ausência da data (43,44%); prescrições sem dosagem (11,01%); sem posologia (22,64%); identificação do medicamento pelo nome comercial (64,29%); presença de siglas ou abreviaturas (79,59%). Conclusão: Ficou evidente o número excessivo de erros podendo causar danos ao paciente, colocando em risco a eficácia do tratamento. Neste contexto, o profissional farmacêutico é fundamental para diminuir os riscos associados ao manejo dos medicamentos.

Leia o Artigo